Lia do Rio - Artista Plástica

Nem Natureza Nem Tempo

nem natureza nem tempo.....

São muitas as perguntas. Felizmente, nenhuma resposta é o que nos provoca a obra de Lia do Rio que já atravessa um percurso de quatro décadas. Há nela uma imensa afinidade em transformar, ou transcriar a natureza em cultura, o que já faz há milênios nossa ancestralidade indígena. Lia tem um pé lúdico lá no terreiro das ocas na floresta primeva.

Ela seduziu-se pela efemeridade do que as árvores produzem com sua sabedoria mais que biológica a se comunicar na interdependência dos vasos comunicantes da floresta e espaços dos centros urbanos e com os que desfrutam de sua generosidade a não parecer só do reino vegetal. Lia sabe do íntimo desta cadeia interdisciplinar e é com ela que faz a arte melhor e mais instigante.

Lia faz com que as folhas em suas analogias, formas, estágios de permanência que não se fecham, se desdobram – otemponãopassa – são continuum na paisagem ao permear as mais diversas situações ocupar espaços naturais ou criados pelo humano. Ou sendo objetos de parede, tridimensionais, ou ainda, sendo queimadas e ao virarem cinzas, ocupar sacrários transparentes e, sozinhas, todo o vazio de uma galeria em potência de poesis rara. 

Lia tem a coragem de não se importar em expor o que se diz efêmero no espaço museológico. Confere nobreza e leveza, que ganha na arte contemporânea no Brasil um lugar de relevância ainda não de todo reconhecido, mas por tudo, significativo e seminal.

A poética de Lia em instalações e vídeos, objetos e o que poderia se chamar “arte ambiental” foi editado, em 2014, no exemplar livro Sobre a Natureza do Tempo e aqui expostos nesta mostra antológica que demonstra seu pensamento sofisticado e pleno de significantes desenvolvidos nestas décadas para nos por em dialogo profundo com a grande ilusão que é o tempo. 

Os Maias contemporâneos dizem: Tempo é Arte! Lia perverte a natureza e o tempo, a natureza no tempo e o tempo na natureza, para nos transgredir os conceitos com uma natureza que não lhe só é externa, mas que lhe é intima do feminino tão próprio à força matriz das mulheres que nos dão origem e que sabem que as folhas fazem mais que mera fotossíntese, e que também adubam os sonhos.

Ela vai ao âmago das coisas raras que de tão ordinárias, Lia lhes confere a aura do extraordinário, de uma poesia que lhe dá poder de jóia como a folha que se bifurca, é duas, ou outra que está prenhe de quase sementes alojadas no dorso. A artista as acolhe em cúpulas/relicários, cria ambiências espirais de outras folhas para um percurso do corpo/olhar ao destino do precioso. Lia quer dizer que ali reside mais que uma curiosidade biológica: mora o sagrado gesto mutável da criação.

Sua relação com o tempo, não só metafórica, mas de uma poética vivenciada a máxima, e até mínimal potência, age com uma ética soberana ao lidar com os elementos naturais, para não falar do transitório, mas não só, Lia nos conta sobre o transcendente e do seu poder de transubstanciar a matéria até que ela seja só arte.

Ao conjugar a terra, pedregulhos, folhas e outros elementos em espaços de percurso nas cidades como Brasília, Rio de Janeiro ou Tóquio, dialogando com os trajetos não tão habituais do público pego de surpresa, Lia busca a força natural e matriz que existe em cada ser e da qual não pode negar, nem se afastar, pois é essencialmente sua natureza dentro e fora. Ela tem o poder angular, de nos lembrar do poder nutriz das sementes e das folhas, quando também coloca uma semente num suposto ostensório de acrílico transparente, a nos querer dizer quase igual o poeta anônimo do Nordeste: Existe um pomar oculto no coração da semente.

Lia nos faz recordar de toda história da Vida que nos faz e refaz generosa, mas às vezes impiedosa, e muito mais, que não é só fazer Arte. A artista nos faz mais humanos. E mais do que humanos, ela nos recorda que também somos divinos quando transmutamos a matéria da qual temos a plenitude do conhecimento, mas relegamos ao lugar do utilitário e do efêmero e não da sabedoria milenar praticada pelos aborígenes da Terra que tem os elementos como parceiros de um processo criativo.

Lia nos educa a percepção e a sensibilidade – é também professora de artes visuais – para irmos até aos movimentos e texturas muito íntimos dos micromundos e enxergar além e com acuidade crítica, o macro que por vezes nos apequena. Sábia, sabe sentir com outros olhos de quem não só apenas vê. Gauguin disse: Eu fecho os olhos para ver.

Lia nos guia, os cegos de linguagem poética perceptiva e sensitiva, para nos completar com o “olhar” sensorial e em suas obras, contemplar, buscar no Ser o que é imenso.

 

Bené Fonteles
Março de 2019



Rolar para cima
Esta web utiliza cookies propias para su correcto funcionamiento. Contiene enlaces a sitios web de terceros con políticas de privacidad ajenas que podrás aceptar o no cuando accedas a ellos. Al hacer clic en el botón Aceptar, acepta el uso de estas tecnologías y el procesamiento de tus datos para estos propósitos. Mais informações
Privacidad